Alemanha, parte 1: Munique e a Oktoberfest

Depois de dois anos morando na Europa, finalmente fui para a Alemanha. E em um momento propício: Oktoberfest. A Oktoberfest acontece na Bavaria durante o final de Setembro e meio de outubro. A festa para comemorar a virada da estação é recheada com cervejas (caras) e comidas e bebidas típicas. Além da Oktoberfest, conhecemos na Bavaria um pouco de Munique. Como passamos somente dois dias na cidade (e um dentro da Oktoberfest) não tenho muita opinião sobre a cidade, porém ao menos durante a festa o lugar é extremamente caro.

Munique é uma cidade rica, lembrando muito Zurique. Os moradores em sua maioria são alemães. Tão tradicionais que eram incapazes de modificar um item do menu em um restaurante. Sim, quando pedi para removerem um queijo de um prato o garçom simplesmente travou. Não conseguia entender o conceito de modificar o menu e por fim não o fez.

A Oktoberfest não é nada o que eu imaginava. O lugar parece um grande parque de diversões. Diversos brinquedos (montanha-russa, carrinho bate-bate e etc), barraquinhas de comidas e pequenos items para se comprar (chapéus da festa, por exemplo). Entre tudo isso, se encontra grandes "casas" (tends) com o nome das cervejarias. Nesses lugares, se vendem as famosas cervejas da festa e comidas da região. Também são nessas "tendas" que a verdadeira festa acontece. Músicas típica são tocadas pelas bandas no centro do lugar, enquanto alemães sobem em cima das cadeiras e cantam. Eine Prosit!

O segredo aqui é chegar cedo para pegar um local para sentar (a sugestão é chegar antes das 15hrs nos dias de semana e antes das 10hrs nos finais de semana). Depois de achar um lugar para sentar, você será atendido por um dos funcionários da cervejaria. É possível comer e beber (um pouco mais de dez euros pelo litro da cerveja). Caso queira algo mais calmo e vegan, sugiro pagar três euros e entrar na parte de "brinquedos antigos" no final da festa. Por ser uma parte paga, menos pessoas estão dispostas a vir aqui. Também é um lugar mais tradicional, com muitos idosos por todos os lados.

Os brinquedos são caros, de 5 a 10 euros por pessoa. Mas vale a pena ir em algum, afinal, Oktoberfest não é só sobre bebida. As cervejas são boas, definitivamente uma das melhores alemãs que já tomei. O único problema é o preço. Uma pint em Berlin custa cerca de 2.5 euros em um pub. Na Oktoberfest o pint custa quase 6 e o litro quase 11. Mas temos que relevar, dado que é uma cerveja feita exclusivamente para a festa. Para quem não consome álcool, a cerveja sem álcool também é ótima, bem doce, mas ótima.

A comida vegana disponível na parte de brinquedos velhos é muito gostosa (mais precisamente na Herzkasperlzelt). Achei um tanto estranha e não sei definir o que era (uma espécie de nhoque). Também comemos o que deveria ser um bife vegano a milanesa, mas não era muito bom. A cerveja da Herzkasperlzelt também foi a melhor que tomamos, muito melhor que as mais conhecidas.

A festa abre de manhã e fecha tarde da noite. Os alemães vão, em sua maioria, à carater. Apesar de ser uma festa turística, no dia que eu fui não havia muitos turistas. Apesar da quantidade de cerveja forte, não vi muitas pessoas passarem mal (somente uma pessoa que estava sendo atendida pelos paramédicos). A infraestrutura do lugar é muito bom, com médicos disponíveis e uma grande quantidade de garçons nas tendas.

Uma dica na hora de pagar, eles consideram o troco como gorjeta, então não espera os seus centavos de volta. E sim, eles não aceitam cartão.

Na hora de ir embora a polícia está nas ruas para tentar facilitar o trajeto. Os metros estão funcionando, mas provavelmente é uma boa ideia evitar o metro do lado de fora da festa e andar até a próxima estação (não que você vá ser o único com essa ideia) caso precise comprar bilhetes (as filas na estação da Oktoberfest são quilometricas, especialmente se você decidir ficar até o último minuto na festa).

A festa é muito diferente de qualquer outro lugar que eu já fui ou do que eu imaginava. É uma festa para comemorar, não para ficar bêbado. A ideia é aproveitar as bebidas, se divertir com amigos. Não é o espírito das baladas brasileiras. Munique não me pareceu um lugar que eu queira voltar, mas a Oktoberfest com certeza vai estar sempre em meu calendário.